Tequilarriba!

Tequilarriba!

William H. Prescott, um dos maiores historiadores da América durante o século XIX (1800-1899), fez algumas anotações a respeito do agave. Segundo ele, a natureza jamais apresentou de forma tão compacta uma planta com tantos elementos de conforto e civilização. Sabe o que ele queria dizer com isso? É simples! Em resumo, o agave pode ser usado na preparação de comidas, bebidas, roupas e até materiais de escrita.

Isso, de fato, é muito interessante, mas não vamos focar nisso…

Vamos ser mais específicos.

Nós ainda não dissemos, mas o agave, na realidade, é um gênero de plantas suculentas – um tipo de planta que se adapta muito bem a situações de seca. E, dentre as 183 espécies existentes, escolhemos uma (e apenas uma) para falar hoje: o Agave tequilana.

Caso tenha reparado, o nome dessa planta já entrega o seu principal uso. Sim, ela é a principal matéria-prima da tequila. Na verdade, se formos considerar a receita original desta bebida, ela é o único ingrediente! De acordo com a “regra mexicana”, a verdadeira tequila tem que ser produzida apenas com o agave-azul (denominação popular dessa espécie), originário da cidade de Tequila, no Estado de Jalisco.

O grande centro de interesse dessa planta é a piña, de onde extraímos a seiva que será fermentada e destilada para a produção de bebidas. Essa parte, localizada bem no centro da planta, fica envolta por folhas carnudas e pontiagudas, que podem atingir até dois metros de comprimento, e demora, em média, 12 anos para atingir o ponto certo.

Essa planta apresenta folhas carnudas e pontiagudas que podem atingir até dois metros de comprimento. Gostam de altas altitudes, preferencialmente acima de 1.500 metros, e de solo arenoso.

Agora, se te perguntássemos: “Qual o país que mais produz essa planta?”, você saberia dizer?

Nesse caso, apostar no óbvio é uma boa escolha. O México é o maior produtor, com cerca de 200 milhões de pés em todo seu território. Mesmo assim, a demanda ainda está com problemas de suprir a enorme procura dessa planta. Além disso, devido a algumas práticas erradas ao longo dos anos, o agave-azul perdeu sua resistência ao fungo Fusarium e a outras doenças. Esse fator criou um novo desafio para os agricultores, que atualmente perdem de 25 a 30% de suas produções.

Agora que você sabe de tudo isso, é só caprichar na hora de escolher uma boa tequila. Arriba!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *