Sistemas integrados de produção agropecuária sustentáveis e produtivos

Sistemas integrados de produção agropecuária sustentáveis e produtivos

A utilização dos sistemas integrados de produção é uma prática crescente no setor agropecuário brasileiro e traz vantagens econômicas, produtivas e sustentáveis para aqueles que a adotam. Elas se baseiam na diversificação e integração de diferentes sistemas produtivos (agricultura, pecuária e florestais) numa mesma área produtiva, com benefícios para todas as atividades de forma mútua.

Na prática isso significa dividir as áreas produtivas entre as atividades acima citadas, ou realizar a rotação delas ao longo de determinados períodos, e, com isso, intensificar o ciclo de nutrientes do solo, melhorando as condições de produtividade e o rendimento, sem grandes investimentos e de forma sustentável.

O vídeo a seguir, produzido pela Embrapa, que lidera a Rede de Fomento a Integração Lavoura Pecuária e Floresta (ILPF), e que nós, da Syngenta, fazemos parte, traduz isso de forma bastante clara. Veja só:

Se você chegou até aqui já deve ter entendido como esse sistema integrado funciona e os benefícios que ele traz para as áreas produtivas em que estão presentes. Agora vamos mostrar alguns detalhes e números dessa prática, segundo a última pesquisa encomendada pela Rede de Fomento ILPF e realizada pelo Kleffmann Group.

Das quatro combinações possíveis desse tipo de prática, destaca-se o sistema agropastoril (lavoura-pecuária), que é de longe o mais utilizado no Brasil, com 83% das lavouras atuando dessa forma. Na sequência temos o agrossilvipastoril (lavoura-pecuária-floresta) com aparecimento em 9% dos casos, seguido pelos silvipastoril (floresta-pecuária) com 7% e o silviagrícola (lavoura-floresta) com apenas 1%.

O Estado do Mato Grosso do Sul detém a maior área de implantação desse sistema, com mais de 2 milhões de hectares destinados aos modelos propostos. Em seguida temos Mato Grosso e Rio Grande do Sul.

Entre 2010 e 2015 (época do estudo), a ILPF foi responsável pela apreensão de quase 22 milhões de toneladas de CO², colaborando massivamente para a baixa impressão de carbono causada pelas atividades agrícolas e cumprindo a primeira meta do Plano Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC).

E então, quer saber como adotar o sistema ILPF também nas lavouras? Acesse esse link e navegue sobre esse universo. Em breve, teremos mais informação aqui também!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *