Resultado PARA

Resultado PARA

O recém-lançado relatório do Programa de Análises de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA), realizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) em conjunto das Vigilâncias Sanitárias de Estados e municípios e dos Laboratórios Centrais de Saúde Pública (Lacens), traz uma grande novidade.

Dessa vez, o documento apresenta um direcionamento à análise de risco dos agroquímicos para a saúde do consumidor e foi feito de acordo com metodologias internacionais, incluindo recomendação da Organização das Nações Unidas (ONU) – Organização Mundial da Saúde (OMS) e Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Nele consta que: 99% das 12 mil amostras de alimentos avaliadas entre 2013 e 2015 não contêm resíduos de defensivos agrícolas que representem risco agudo para a saúde*.

Essa forma de análise, que vem sendo defendida há anos por diversos participantes do agronegócio, é muito positiva porque mostra resultados mais práticos a respeito da saúde da população.

Anteriormente, o PARA só divulgava os resultados da quantidade de resíduos existentes nos alimentos analisados, e isso causava uma grande confusão. Os relatórios eram focados nas irregularidades encontradas nos alimentos, como resíduos acima do limite permitido (LMR) ou detecção de produtos sem registro para a cultura analisada. O grande problema, no entanto, é que essas irregularidades não representavam necessariamente um risco à saúde do consumidor, mas causavam um desestímulo ao consumo de frutas e hortaliças.

Com essa nova abordagem, a regularização desses produtos, aqui no Brasil, fica mais parecida com as realizadas pela Comunidade Europeia, pelos Estados Unidos e, também, pela FAO, que estabelece, por meio do Codex Alimentarius, protocolos de avaliação do risco e outros parâmetros para garantir a segurança alimentar da população mundial.

Para ver o documento na íntegra, clique aqui.
Se quiser ver uma síntese do estudo, clique aqui.

* Intoxicações que podem ocorrer até 24 horas após o consumo do alimento.

um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *