Perspectivas 2019 – Soja, Milho e Algodão

Perspectivas 2019 – Soja, Milho e Algodão

A tradicional análise do Rabobank sobre as perspectivas de 2019 dos principais cultivos do país está sendo liberada aos poucos por meio de uma série de podcasts em seu próprio site.

Abaixo fizemos um apanhado dos principais pontos de interesse das três primeiras culturas da série: Soja, Milho e Algodão. Confira:

Soja
Apesar da trégua anunciada durante o G20, realizado na Argentina no final de 2018, um dos pontos decisivos para a soja, pelo menos neste primeiro semestre, é o desenrolar da “guerra comercial” entre a China e os Estados Unidos.

Em caso de continuação da disputa e das tarifas protecionistas, principalmente pelo lado da China, o esperado é que ocorra uma diminuição da área plantada de soja nos EUA. Com essa redução, que pode chegar a 3 milhões de hectares em detrimento de outros cultivos, como trigo, algodão e milho, desencadeia-se a redução da reserva norte americana do grão, que consequentemente deve acarretar no aumento do preço internacional da soja e manter os prêmios de exportação em níveis elevados aqui no Brasil. Em caso de acordo, os Estados Unidos retomariam as as exportações do grão para a China, reduzindo os elevados estoques locais, o que também daria suporte às cotações em Chicago, e pressionando os prêmios de exportação por aqui.

Em termos de produção da safra 2018/19 no Brasil, apesar de problemas climáticos em algumas regiões produtoras no final de 2018, as perspectivas ainda se mantém relativamente positivas. A expectativa para este novo ano é que o país se aproxime do recorde do ano passado e produza 119 milhões de toneladas em uma área de 36,3 milhões de hectares plantados, a maior da história.

Milho
O plantio acelerado da soja e os bons níveis de preços registrados no último ano devem afetar positivamente o plantio do milho neste ano, em especial o milho safrinha (segunda safra). Com grande parte desse milho sendo semeado dentro da janela de cultivo até meados de fevereiro, na maioria das regiões, a recomposição da oferta do grão, que em 2018 teve uma safra ruim, deve se tornar uma realidade. E como resultado dessa forte recuperação da oferta, a previsão é de diminuição dos preços da saca.

Na somatória geral (milho verão e o safrinha), a expectativa do Rabobank é de 92 milhões de toneladas de milho colhidas em 2019 no Brasil. E embora a diminuição dos preços seja praticamente uma realidade, vale ressaltar que a demanda pelo grão, em especial para o consumo de proteína animal, também deve crescer neste ano.

Importante também ficar de olho nas taxas de câmbio e nas movimentações do mercado de Chicago, que vão ser bastante influentes na configuração de preços ao longo do ano, assim como podem impulsionar a retomada das exportações do cereal brasileiro em 2019.

Algodão
O algodão talvez seja a cultura com mais otimismo dessa lista. Segundo análise do Rabobank, com o aumento da demanda mundial de algodão (algo em torno de 2%) gerada pelo crescimento econômico, a expectativa é de uma safra favorável e lucrativa. Além disso, a China, que estava consumindo o estoque interno nesses últimos três anos, deve voltar a comprar volumes adicionais do mercado internacional, algo que deve resultar em suporte de preços internacionais.

No Brasil, a retomada gradual da economia deve resultar em incremento de 5% na demanda por algodão em 2019. No campo brasileiro, a previsão é de crescimento da área plantada para algo em torno de 1,4 milhão de hectares na safra 2018/19.

Essas foram as primeiras previsões do Rabobank para a safra 2019, em breve teremos mais! E se você desejar, pode ouvir o podcast na íntegra a seguir:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *