Páscoa com alfarrobas

Páscoa com alfarrobas

Com a aproximação da Páscoa, chegamos à época do ano em que é simplesmente impossível não pensar em chocolate. Seja por causa dos ovos que aparecem no mercado, dos anúncios que pululam nas telas do computador e do smartphone, ou até mesmo pela simples menção do feriado, nossas mentes instantaneamente se lembram dessa iguaria feita a partir do cacau.

Pensando nisso, resolvemos prestar um serviço a você! Em vez de falar do cacau, vamos falar da alfarroba em nossa página. Caso você ainda não conheça esse fruto, vamos fazer uma breve introdução para explicar o porquê dessa decisão.

A alfarroba é um fruto em formato de vagem que dá na alfarrobeira, nome popular da Ceratonia siliqua. Até aí tudo bem, certo? A grande novidade, no entanto, é que o gosto das sementes desse fruto se parece, e muito, com o do chocolate.

Por ter o sabor parecido e apresentar alto teor de açúcares naturais (dispensando o uso de açúcar durante o preparo), muitos consideram a alfarroba um substituto mais saudável do doce à base de cacau.

Essa ideia ganha ainda mais força quando levamos em consideração os outros benefícios desse alimento, como altas concentrações de Ômega-3, Ômega-6, vitaminas (A, B1 e B2), nutrientes (cálcio e magnésio), antioxidantes e fibras. Uma combinação nutritiva que ajuda a melhorar a digestão, reduz o colesterol, estimula o bom funcionamento do intestino e combate o envelhecimento precoce.

E para os diabéticos, outra boa notícia. A alfarroba tem alto teor de fibras, que diminuem a velocidade do processo de digestão, ajudando a controlar os níveis de açúcar no sangue.

No Brasil, o cultivo de alfarrobeiras é quase inexistente e grande parte dos produtos consumidos que contenham esse fruto vem de outros países. Caso tenha aguçado a sua curiosidade, confira a lista com os principais países produtores:

Para finalizar, temos uma característica bastante curiosa a respeito da alfarroba. É dela que surgiu a medida quilate, usada para medir o peso de joias e a pureza do ouro. Na Roma Antiga, para verificar se uma moeda era cunhada de ouro puro era preciso pesá-la, e a unidade base de comparação eram as sementes de alfarroba, conhecidas como quilate. Sendo assim, o peso de uma moeda feita de ouro puro deveria ser equivalente ao peso de 24 sementes (quilates), logo, seria um ouro de 24 quilates. No caso das pedras preciosas, a medida já é um pouco diferente…  Para elas, um quilate equivale a 200 mg.

Desejamos uma feliz Páscoa a você e torcemos para que receba vários quilates de chocolate, de alfarroba ou de qualquer outro doce que te satisfaça! 🙂

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *