O rei do cerrado

O rei do cerrado

O texto a seguir foi feito para corrigir uma grande injustiça! Acontece que, há algum tempo, fizemos uma publicação sobre as 5 frutas mais resistentes à seca e, nessa publicação, falamos passageiramente sobre o pequi.

O problema é que o pequi, piqui ou pequiá (dependendo de como você preferir), não é uma fruta para se falar de passagem. Para você ter uma ideia da importância desse fruto, no Centro-Oeste brasileiro, principalmente nos estados de Goiás e Mato Grosso, por exemplo, o Caryocar brasiliense (nome científico do pequi) é conhecido como “o rei do Cerrado”!

E veja bem, em defesa do pequizeiro, isso não é nenhum exagero. Praticamente tudo dessa árvore pode ser aproveitado.  Quer ver?

Das suas frutas, presentes de novembro a janeiro, podemos fazer cozidos, licores, doces, sorvetes ou, se preferir, podemos apenas consumi-la in natura. No entanto, já fica o aviso: sua polpa, que é macia e saborosa à primeira vista, deve ser consumida com bastante cuidado. Isso porque, logo abaixo dela, está uma camada de espinhos capazes de fazerem um bom estrago nos desaviados. E sob essa camada de espinhos, também temos o caroço da fruta, que pode ser assado ou utilizado no preparo de um óleo, conhecido como “azeite de pequi”.

syngenta_extras_curiosidades_pequi_v01_r0

Além do azeite, o óleo do pequi também pode ser utilizado na fabricação de um sabão vegetal, geralmente produzido por moradores de pequenas cidades rurais, e (por essa você não esperava) na produção de biodiesel.

Mas não são só os frutos que podem ser aproveitados. Além deles temos outros itens que o pequizeiro pode oferecer. Começando pela sua madeira, que tem uma boa durabilidade e pode ser utilizada na construção de casas e cercas, ainda temos as flores, que podem ser servidas na alimentação de animais; a casca, de onde se pode extrair um corante, e, também, as folhas que têm diversos usos medicinais.

Se isso ainda não te convenceu da importância do pequi, saiba que, em algumas regiões do Cerrado, comerciantes chegam a obter até 80% de sua renda anual apenas com itens da cadeia produtiva do fruto. Tamanha é a exploração dessa árvore que o pequizeiro até foi adicionado à lista de árvores protegidas por lei, que restringe seu corte e comercialização em todo o território nacional.

Se ficou com vontade de experimentar o pequi, sugerimos que visite a cidade de Pequizeiro, Tocantins, onde se celebra, anualmente, a Festa do Pequi. Confira no mapa abaixo:

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *