Dia Mundial da Conscientização das Mudanças Climáticas

Dia Mundial da Conscientização das Mudanças Climáticas

A Syngenta, mantendo sua missão de ser a empresa mais inovadora e colaborativa do agro, assume sua responsabilidade de atuar no enfrentamento dos desafios gerados pelas mudanças climáticas. Alguns exemplos que sustentam essa afirmação são representados por nossa associação à Rede ILPF e o desenvolvimento do Programa Reverte, que visa recuperar áreas degradadas por meio da aplicação de protocolos agronômicos específicos, viabilizados por financiamentos de longo prazo.

 

Breve histórico

Desde o fim do século XX e, mais intensamente, neste século XXI, a globalização e a tecnologia têm exercido um importante papel na informação e na conscientização das pessoas em todo o planeta. Já se entende que não somos países isolados, mas sim uma grande aldeia global e que tudo que se faz em determinadas áreas naturais, afeta a comunidade mundial como um todo.

 

Os principais encontros mundiais e a defesa do meio-ambiente

Encontros mundiais que discutem o tema como a COP26, realizada em Glasgow, em 2021, seguem o despertar da consciência ecológica desde o início das principais conferências ambientais internacionais como as de Estocolmo, em 1972; a Eco-92; a Rio+10, em 2002; e a Rio+20, em 2012. A diferença é que agora as pessoas demonstram se importar mais com os efeitos das mudanças climáticas.

A população está percebendo que fenômenos ligados ao tema não acontecem em lugares distantes ou com “outros países”, mas, sim, aqui e agora como, por exemplo, longos períodos de estiagem em épocas que deveriam ser de chuvas, ou o oposto, alagamentos e desastres provocados pelo excesso de chuva e transbordamento de rios, como foi visto recentemente em cidades do interior baiano.

 

Mudanças climáticas e o setor agrícola

O setor agrícola é um dos mais impactados pelas questões climáticas, ao mesmo tempo em que possui alto potencial de reversão do problema. Nessa linha, a Syngenta acredita que ações preventivas, aliadas à tecnologia e a ampliação de práticas positivas na agricultura são importantíssimas. Como exemplos, temos a rotação de culturas, que prevê a alternância de cultivos na mesma área e na mesma estação do ano.  A integração-lavoura-pecuária-floresta (ILPF), em outra vertente, desponta como estratégia de produção que integra diferentes sistemas produtivos. Essas e outras técnicas resultam em uma agricultura positiva, que passa pela conservação e manutenção do solo e pode não apenas minimizar os impactos provocados pelas mudanças climáticas, mas revertê-los.

 

Integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF)

A utilização dos sistemas integrados de produção é uma prática crescente no setor agropecuário brasileiro e traz vantagens econômicas, produtivas e sustentáveis para aqueles que a adotam. Elas se baseiam na diversificação e integração de diferentes sistemas produtivos (agricultura, pecuária e florestais) numa mesma área produtiva, com benefícios para todas as atividades de forma mútua.

A Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) tem como objetivo a promoção da recuperação de áreas de pastagens degradadas agregando, na mesma propriedade, diferentes sistemas produtivos.

 

Alguns benefícios da adoção desse sistema são: melhora na qualidade e conservação do solo, melhoria do bem-estar animal, aumento da renda líquida e da produção, geração de novos empregos, entre outros.

 

Reverte

A Syngenta, em parceria com a The Nature Conservancy (TNC), maior organização de conservação ambiental do mundo e com o banco Itáu desenvolveu o Programa Reverte, uma iniciativa que auxilia a expansão sustentável da agricultura no Cerrado. Por meio de uma solução holística, que envolve melhores práticas agronômicas, ferramentas financeiras e protocolos sobre o uso de insumos (de fertilizantes e sementes até maquinário e produtos de proteção de cultivos), o Reverte tem a missão de apoiar agricultores a trazer pastos degradados de volta ao cultivo. O objetivo é aumentar a produtividade já no curto prazo para permitir o retorno sobre o investimento e evitar mais degradação.

 

A importância da conservação do solo

A conservação do solo aumenta a qualidade e a quantidade dos rendimentos das culturas porque mantém o solo superficial no seu lugar e preserva a produtividade do solo a longo prazo.  O tema reflete, portanto, uma preocupação fundamental dos agricultores, uma vez que é vital não apenas usar a terra de forma produtiva para obter altos rendimentos, mas também poder fazê-lo no futuro.

Diferentes métodos de conservação do solo ajudam a mitigar a erosão, manter a fertilidade e evitar a degradação, por meio da aplicação de técnicas integradas e regenerativas de controle de ervas daninhas, pragas e doenças, contribuindo, assim, para a sustentabilidade da prática agrícola.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *