Como um café é classificado?

Como um café é classificado?

O Brasil é o maior produtor e exportador de café no mundo e, por aqui, é difícil encontrar alguém que não tome pelo menos uma xícara ao dia. E como se não bastasse termos as maiores produções, temos também inúmeras regiões produtoras de cafés especiais, uma delas é a  Região do Cerrado Mineiro (D.O.) – com processos de produção específicos, criteriosos e qualidade avaliada de acordo com a metodologia da Associação de Cafés Especiais (SCA, na sigla em inglês).

Confira no texto de hoje quais são os critérios de avaliação de um café e como funciona esse processo!

Da natureza a sua mesa: como um bom café é classificado

Assim como ocorre em outras culturas, o sabor e a qualidade dos grãos de café dependem de diversos fatores externos, como: variedade, local de produção, condições climáticas, do solo, da altitude, volume de sol e de chuva durante a safra, além de outras características geográficas ou casualidades, que influenciam diretamente no desenvolvimento do café até que seja colhido. Além disso, existem ações controláveis como a colheita, que pode ser feita manualmente ou por máquinas, e no pós-colheita, durante os processos de separação, secagem, beneficiamento e armazenamento dos grãos.

Passadas todas essas etapas o café está pronto para ser enviado aos centros de avaliação. Chegando lá, haverá a separação dos lotes, que serão avaliados fisicamente pelo cheiro, cor, aspecto dos grãos, teor de umidade, percentual de defeitos e forma de processamento no pós-colheita.

Na sequência temos a etapa de avaliação sensorial, realizada por profissionais capacitados, os chamados QGraders*, que vão colocar a prova as características do café. Nesse momento será avaliado todo o desenvolvimento do grão e o processo de torração. Após ser devidamente torrado seguindo um protocolo de torra, iniciamos a degustação que passará pela análise de vários atributos, como a fragrância, o aroma, a doçura, o corpo, a acidez, além do equilíbrio e do sabor residual (aquele que fica na boca após o consumo) temos também a nota pessoal do QGrader para composição da nota final do café.

Em seguida, com base nos resultados obtidos, dá-se a classificação do café categorizando-o como especial ou comercial, proporcionando ao produtor o direcionamento de mercado para sua produção. E não para por aí: caso o café tenha potencial e seja classificado como especial, ele entra num nicho de mercado totalmente diferenciado que remunera de forma significativa pela qualidade do café produzido.

A classificação do café é uma fase muito importante para o processo de comercialização do produto. Tanto para o produtor, que aumenta a rentabilidade de sua produção quanto para o consumidor, que poderá escolher e experimentar novas variedades com qualidade garantida.

E convenhamos, quem não gosta de um bom café?

*QGrader é uma certificação internacional concedida a profissionais capacitados a degustar e avaliar cafés especiais do mundo todo. Ela faz parte do “Q Grader System”, desenvolvido pelo Instituto de Qualidade do Café (CQI, na sigla em inglês), órgão que trabalha para a melhoria da qualidade cafeeira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *