Dia do Meio Ambiente

Dia do Meio Ambiente

Não tem como não falar sobre o Dia do Meio Ambiente sem lembrando nosso Plano de Agricultura Sustentável; o carro-chefe da Syngenta quando o assunto é conservação ambiental. Por meio de seis compromissos relacionados à conservação do meio ambiente, da biodiversidade e do respeito aos trabalhadores rurais, temos investido em projetos de diversas áreas do agro.

Vamos recordar alguns deles?

Começando pelos Corredores Ecológicos, a iniciativa de conectar trechos de mata em regiões de cultivo agrícola por meio do plantio de florestas junto às lavouras, conseguiu diminuir a fragmentação de habitats de áreas agrícolas, beneficiando diversas espécies animais, inclusive aquelas em risco.

Um estudo recente da UNESP – Universidade Estadual Paulistarevelou a presença de mamíferos de médio e grande portes em 22 áreas florestais circundadas por cultivos de cana-de-açúcar em São Paulo. Cerca de 90% das espécies esperadas para o Estado como a onça-pintada e o tamanduá-bandeira aparecem nesses locais, o que indica o sucesso da recuperação florestal no curto prazo com os corredores ecológicos, e com a aplicação do Código Florestal que prevê a manutenção de Áreas de Preservação Permanente (APP).

Além disso, a convivência próxima de áreas agrícolas e de mata tem ainda benefícios para a conservação do solo e de recursos essenciais, como a água. E, por fim, também facilita o sequestro de carbono da atmosfera e a conservação de outros seres vivos muito importantes.

Como é o caso dos polinizadores que são imprescindíveis agentes da biodiversidade. E para garantir a conservação desse pessoal, a Syngenta mantém o programa OperationPollinator, realizado em parceria com pesquisadores para promover a atração da fauna polinizadora nativa nos locais onde estão implementados.

Exemplo disso é o que aconteceu em nossa Estação Experimental, em Holambra (SP), onde foram plantadas espécies vegetais da Mata Atlântica para recriar o bioma. Hoje, já existe a presença de um tipo de abelha que é bioindicador da região – uma mostra de que está se tornando propícia para essa comunidade de insetos – e o resultado desse experimento tem sido replicado em outras regiões que recebem o programa.

A iniciativa promove também o levantamento de dados importantes para a conservação de polinizadores naturais de todos os biomas do país. Foi identificada, por exemplo, uma espécie de morcego que é polinizador de algumas áreas estudadas, um dado novo que contribui com a ciência e com os esforços de conservação de animais polinizadores.

Agora, vamos combinar…

Nem florestas, nem plantações de alimentos, tampouco polinizadores ou outros animais têm chance de sobreviver onde o solo está degradado, não é mesmo? Some-se a isso o uso não renovável de terras para pasto e temos um problema de difícil solução. Para nossa alegria, temos o sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), que tem se mostrado muito eficaz. Nele, diferentes sistemas produtivos, agrícolas, pecuários e florestais são conduzidos na mesma área, podendo ser os cultivos consorciados, em rotação ou sucessão, fazendo com que os componentes interajam. Com a ILPF, é possível mitigar um dos principais problemas do solo: a erosão.

Também no que diz respeito ao solo, a parceria que a Syngenta mantém com a organização The NatureConservancy (TNC) permitiu o desenvolvimento do projeto Soja+Verde, que tem como objetivo promover a produção sustentável da soja nas principais regiões produtoras do Estado do Mato Grosso, por meio da recuperação de terras cultiváveis e regularização ambiental de propriedades rurais, seguindo as diretrizes do Código Florestal Brasileiro.

O Soja+Verde é atualmente o principal projeto de biodiversidade apoiado pela Syngenta globalmente, sendo responsável por mais de 25% do resultado global de biodiversidade reportado entre 2013 e 2015.

A Syngenta apoia, ainda, por meio da parceria com a TNC, projetos como a publicação CAR – Cadastro Ambiental Rural – para que produtores de todo país tenham acesso às informações muito valiosas sobre o Código Florestal e exemplos de sucesso; e o primeiro Plano Estratégico de Restauração Florestal para a região do rio Alto Teles Pires, no MT, que traça um panorama inédito dos desafios e de algumas das possíveis soluções para fortalecer a cadeia da restauração florestal na região.

Essas são apenas algumas das atividades que temos realizado nos últimos anos, aqui no Brasil como parte do nosso Plano de Agricultura Sustentável. E ainda existem projetos que queremos iniciar ao longo desse e dos próximos anos. Se quiser saber mais sobre o nosso trabalho continue acompanhando nossa página. 🙂

 

Comentários

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ 3 = 11